You may translate my blog if you needing

Pesquisar este blog

A certeza

 photo Cristo_zpsi9u1t9yx.jpg

"Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." - João 3:16 ARA

Ícones de uma Igreja cristã reformada: de fato bíblica



"E dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência." Jeremias 3:15 ACF


Da esquerda para a direita e de cima para baixo: Pedro Valdo (c. 1140-c. 1220), Martinho Lutero (1483-1546), João Calvino (1509-1564), John Knox (1514-1572), Charles Spurgeon (1834-1892), Martyn Lloyd Jones (1899-1981), Francis Schaeffer (1912-1984).

Seguidores

Assine minhas postagens

Ars gratia artis!

 photo triunfo444_zpsebb373bd.jpg

Triunfo de Vênus, pura poesia plástica do Renascimento.

Ars gratia artis!

 photo madr_zpsa4265784.jpg

Vênus ou Afrodite, respectivamente, para romanos e gregos, nascendo de uma madrepérola em plena selva amazônica legal, brasileira, de minha cidade de Belém, a capital do Estado do Pará, em uma magnífica escultura no decadente logradouro público de minha referida cidade, na borda do mundo, na Praça da República.

Principia Sapientiae: a Filosofia como mãe e mestra

 photo Rafael_-_Escola_de_Atenas777_zps8e0f0f71.jpg

"Um filósofo é um intercessor, é um sacerdote. Um filósofo é o anfitrião da verdade digna e acessível aos homens." (João Emiliano Martins Neto)


Add me no ZapZap

 photo whatsapp-blue-tick_zpsae2o5yfc.jpg

Principia Sapientiae: Vamos filosofar? Viva a Filosofia!



Assistam ao meu vídeo, supra, em que faço um convite a você, caro leitor, à Filosofia. Meu convite a você leitor que saiamos da Matrix que é a mesmice, o banal do cotidiano e do senso comum tornados como algo muito ruins quando absolutamente inconscientes acerca de suas naturezas intrínsecas.

Entre em contato comigo pelo email (clique no ícone abaixo)









quinta-feira, 23 de março de 2017

Allan Kardec: superior a Cristo

Porra, eu fui espírita durante oito anos de minha vida, de 1998 a 2006, frequentava o Centro Espírita Yvon Costa, na Travessa Castelo Branco, bairro de São Brás, no subúrbio daqui da minha cidade de Belém, a capital do Estado do Pará. Mas, depois desse período, livre dessa cegueira, graças a Deus, entrei para a Assembléia de Deus (Templo Central - Igreja-mãe), tornei-me, graças a Deus, protestante. Porra, como fui burro e como há amigos meus burros na porra do Espiritismo que eu tento abrir-lhes os olhos, mas eles não cedem, mas é claro que muito da casmurrice brasileira em prol das idéias espíritas, vem da idéia de Cristianismo deturpada pela Igreja Católica, porque para nós, protestantes, a graça e somente a graça (sola gratia), como evidentemente diz a Escritura, é suficiente para a salvação humana. Ora, é cultural para o brasileiro que o bom filho faz Deus ser-lhe propício, mas a Escritura e o Cristianismo historicamente, ainda que confundido pelas mentiras romanas, diz que Deus escolheu, predestinou, desde antes da fundação do mundo, a um povo, para a redenção, não anteprevisa merita, isto é, do latim, não por méritos previstos dos homens, mas Deus conheceu pessoalmente pessoas, antes da criação de céus e terras, gratuitamente, absolutamente destinou um povo para a redenção, segundo a regra da soberania ou o conselho da vontade absolutamente soberana e poderosamente em glória graciosa, sem que o homem precise em nada ser tributário, desse mesmo Deus.

Os espiritistas dizem que a idéia espírita seria a um só tempo religião, filosofia e ciência, mas, como pode isso se há no saber a chamada univocidade dos termos? Ou seja, não podemos dar o mesmo nome para coisas diversas. Não podemos em nosso discurso sermos equívocos. Ciência é uma coisa, Filosofia é outra e a Religião é uma terceira coisa diversa. A elite espírita brasileira, representada por aquela bichona Divaldo Pereira Franco, baiano de Feira de Sant'Ana, que em sua biografia tem coisas muito interessantes e intrigantes, mas pessoas como ele sabem, claro que sabem, que o discurso de justificação espiritista, é muito absurdo. Ora, o Espiritismo é uma prática, seria a ciência do contato com os mortos, seria a prova material da imortalidade da alma, e se há algo de verdade, então, no Espiritismo, tal prática não pode confundir-se com absurdos como a falha do equívoco e não pode misturar-se com seus antagonistas como o Cristianismo, tal qual o Budismo, eminente como é, todavia, não pode imiscuir-se com o Cristianismo, ambas idéias caminham neste mundo paralelamente, sem jamais tocar-se.


Conde, veja bem, na idéia espírita, o homem tem unidade, sim, na pluralidade de suas existências materiais, são os papéis que mudam ao longo das mesmas até o cume evolucional, até o homem tornar-se puro espírito, superior espírito. A questão é o esquecimento do passado, pois no escopo espírita, o homem ao encarnar esqueceria do que passou em sua vida passada e em todas as outras, somente ao "desencarnar" o homem lembraria de tudo, ou como dizia Platão, Allan Kardec vale-se de Platão, que antes de encarnar a alma tem o conhecimento do que seja bem, verdade e beleza, mas que durante a encarnação o homem pode relembrá-las ao achegar-se ao conhecimento, que na prática como mostra literatura espírita romanceada, dá-se quando o homem ao longo de sua vida tem como que um déjà vu, ao ir a lugares, ver pessoas e encontrar-se em certas circunstâncias que lhe relembrem o suposto passado de outras ditas encarnações. Uma sugestão que eu dou aos espiritistas, é que esqueçam seus antagonistas como o Cristianismo e procurem substância filosófica no platonismo, no pitagorismo e no orfismo.


 

Nenhum comentário:

Google+ Badge

Um Destino cruel...

Eis, acima, um justo destino para os seguidores do PT!

Add me no Zapzap

 photo whatsapp-blue-tick_zpsae2o5yfc.jpg

Outros sites relevantes

Postagens mais visitadas

Leia também sobre a expiação limitada ou sacrifício eficaz

 photo cristo-bom-pastor 6_zpsufwssugx.jpg


Artigo 8 - A eficácia da morte de Cristo

Este foi o soberano conselho, a vontade graciosa e o propósito de Deus, o Pai, que a eficácia vivificante e salvífica da preciosa morte de seu Filho fosse estendida a todos os eleitos. Daria somente a eles a justificação pela fé e, por conseguinte, os traria infalivelmente à salvação. Isto quer dizer que foi da vontade de Deus que Cristo, por meio do seu sangue na cruz (pelo qual ele confirmou a nova aliança), redimisse efetivamente, de todos os povos, tribos, línguas e nações, todos aqueles, e somente aqueles, que foram escolhidos desde a eternidade para serem salvos e lhe foram dados pelo Pai. Deus quis que Cristo lhes desse a fé, que ele mesmo lhes conquistou com sua morte, com outro dons salvíficos do Espírito Santo. Deus quis também que Cristo os purificasse de todos os pecados por meio do seu sangue, tanto do pecado original como dos pecados atuais, que foram cometidos antes e depois de receberem a fé. E que Cristo os guardasse fielmente até o fim e, finalmente, os fizesse comparecer perante o Pai em glória, sem mácula, nem ruga (Efésios 5:27).

"Cânones de Dort", 2º Capítulo da Doutrina: A Morte de Cristo e a Redenção por meio dela.