Pesquisar este blog

Meu blog está na presença dos santos anjos fiéis

angel-sculpture-1534128

Iesus Hominum Salvator

Cristo-Redentor

Miserere nobis.

A Padroeira

Deiparae

Ora pro nobis.

Deus, Pátria, Imperador

imperial-flag

"Sede educados para com todos, amai os irmãos, temei a Deus, respeitai o rei." (1 São Pedro 2, 17)

Entre em contado comigo por email

Clique na imagem, abaixo, e acesse o meu email pessoal para dialogarmos privadamente. Será um prazer.

envelope-color

sábado, 4 de dezembro de 2021

Uns frutos do sacrário

Autoria: João Emiliano Martins Neto

 


Hoje como todos os dias eu estava rezando diante do sacrário da igrejinha onde eu fui batizado na infância, na Igreja da Santíssima Trindade de Belém do Pará, e lá rezando eu acho que eu colhi uns frutos de um certo ângulo muito interessante e luminoso de algumas coisas importantes comuns ao mundo como Deus, a alma humana e a liberdade tão questionadas e que seriam incognoscíveis para um certo homem distante de Deus como Immanuel Kant e que influenciou vários filósofos de várias gerações e a cultura depois dele. Kant que era oriundo de uma seita herética protestante, a luterana, mas era um cristão não muito ortodoxo, conforme dele diz o grande filósofo Eric Weil e eu acho que por tal filiação herética ele não conseguiu ter uma visão espiritual mais acurada.

 

Eu ali rezando diante do sacrário cheguei à conclusão que Kant, o homem do Iluminismo com sua noção de emancipação e busca de autonomia humanas, pois, retomando o sofista antigo, Protágoras de Abdera, o homem seria a medida de todas as coisas e não Deus, consoante via Platão, tal emancipação e autonomia humana dar-se-ia pela saída do que seria para Kant o sono dogmático, o abandono da metafísica antiga dogmática que voltava-se para a pesquisa em torno do objeto, contudo, doravante depois do pequeno homem de Königsberg, o homem seria o centro de tudo e definiria humana, demasiado humanamente o que seriam, "para ele", as coisas comuns ao mundo e não as coisas em si mesmas, em especial o que seria Deus, a alma, a liberdade e a imortalidade d'alma.


Isso que dá ser um herege protestante e nunca honrar e contemplar por pelo menos uns trinta minutos o próprio Deus Jesus Cristo tal qual há dois mil anos atrás no sacrário, o mesmo Cristo ainda que preterido por aqueles homens do passado e por todos nós, homens, de todos os tempos, judeus como os primeiros culpados e depois todos nós, homens, dos demais povos e raças. Kant acabou cego, agnóstico, dizendo que a coisa em si seria incognoscível sendo assim incognoscível o que há de mais alto como Deus e também a alma e a liberdade, por conseguinte, a imortalidade da alma.


Rezando ali eu percebi que há uma alma e como tal uma liberdade, liberdade para o amor, amor a Deus sobre todas as coisas e semelhantemente amor ao próximo como a si mesmo, ainda que ao custo de privações, sofrimento, perseguição, dor, humilhação, pobreza, apertos, tumultos, pancadaria e até diante da ameaça de morte. O amor que, escreveu São Paulo aos coríntios, tudo suporta, sofre, atura, tudo crê, tudo espera, tudo desculpa. O homem não precisa ser na verdade um fantoche de seus instintos, de seu orgulho idólatra, achando-se um suposto aristocrata, como dizia Friedrich Nietzsche, e assim refém dos mais baixos instintos e das trevas, descurar da compaixão, do perdão e do cuidado com os mais necessitados.


A questão da alma e a questão da liberdade foi o que brilhou para mim e eu acho que eu pude colher como uns frutos do sacrário, ao rezar ali diante do sacrário da igrejinha da Santíssima Trindade. Sou muito grato a Deus por essa luz que ele fez incidir, hoje, em mim um seu terrivelmente indigno servo.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

O terrivelmente inócuo no STF

Autoria: João Emiliano Martins Neto

 

André Mendonça


No dia 1º de dezembro deste ano de 2021 foi sabatinado pelo Senado Federal, a câmara alta de nosso sistema bicameral do legislativo nacional brasileiro, e aprovado para ingressar no Supremo Tribunal Federal (STF) pelos próximos vinte e cinco anos, André Mendonça, ex-ministro da Justiça da Noivinha do Aristides, Jair Messias Bolsonaro, o miliciano genocida praticante de rachadinhas, e Mendonça é ex-advogado geral da União (AGU).


Segundo eu soube ele jogou em todos os times ali na sabatina, foi da direita à esquerda para agradar aos senadores eleitores. Mendonça chegou ao ponto de apoiar o casamento gay se um dia sancionado para o ordenamento jurídico brasileiro, no que ele quis tapear os senadores, segundo bem viu o filósofo Paulo Ghiraldelli Júnior, porque já há uma decisão da Suprema Corte a favor de algo como que uma união estável para pessoas do mesmo sexo. Mendonça traiu os evangélicos conservadores que são contra a homossexualidade e traiu a esquerda, porque já há uma decisão favorável aos homossexuais.


Mas, é aquele coisa, alguém "terrivelmente evangélico", conforme queria a Noivinha presidente da República, é na verdade alguém terrivelmente inócuo no STF. No protestantismo cabe qualquer coisa e coisa nenhuma. Não há um dogma, costume ou preceito que não tenha sido destruído em mais de quinhentos anos de protestantismo como um trator devastador no mundo. No protestantismo cada cabeça de cada evangélico é uma sentença, cada um é Pontifex Maximus de sua seita restrita a si mesmo em seu eu triunfante no mundo que só se dá conta que existe, pois pensa ou acha que pensa com sua mente bagunçada. Cada cabeça de cada evangélico é um novo oráculo de Delfos com uma interpretação diferente do que diz a Bíblia Sagrada, ao arrepio da unidade que ensina a própria Bíblia que pela pena de São Paulo está ali escrito que há uma unidade de corpo que é a Igreja e esta é a católica romana, evidentemente. Há uma só fé. Um só batismo (Efésios 4, 4, 5).


Se é assim, cada cabeça é uma sentença no protestantismo cabe, por conseguinte, o historicismo do liberalismo teológico que apoiaria a homossexualidade e as uniões gays, sem nenhum problema. Protestantismo é uma religião inócua, besta, é a ditadura do relativismo e André Mendonça é apenas o representante de alguém do passado, alguém da revolução protestante, a primeira delas que ainda levava em conta Deus que gerou a revolução liberal já com uma noção deísta e tempos depois a revolução socialista, essa já sem nada de divino, que é a apoteose do homem como deus pagão, senhor absoluto sobre o mundo representados pelos demais ministros do Supremo Tribunal Federal que soltam bandidos, inocentam, até onde eu sei injustamente, um Luiz Inácio Lula da Silva, aprovam uniões espúrias homossexuais, aprovam o assassinato de pobres crianças infelizmente anencéfalas, aceitam homicidas pesquisas com células-tronco embrionárias, querem a descriminalização das drogas e um dia hão de apoiar o aborto, Deus não permita.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

Filosofia, instrumento apologético

Autoria: João Emiliano Martins Neto

 

Escultura "O Pensador" de Auguste Rodin


Ontem eu conversava com uma pessoa na comunidade de um youtuber famoso com o qual eu já tive terríveis divergências pessoais, o Conde Loppeux, mas hoje eu acho que ele já se redimiu depois de ver a turma conservadora amplamente corromper-se na defesa da Noivinha do Aristides (Jair Messias Bolsonaro) assim chamado recentíssimamente por um desafeto, pois o presidente atual do Brasil teria tido há muitos anos atrás um relacionamento homossexual com um professor. Eu comentava ali em tal comunidade que há muitas pessoas capazes no mundo, pessoas inteligentes, ricas, com saúde que são como o jovem rico que Jesus Cristo o amou, mas o jovem não O quis seguir, porque ele era muito rico, tinha muitas posses e Cristo dele exigiu que ele desse tudo aos pobres para segui-Lo.

 

Então eu comentei que hoje as coisas para quem quer ser cristão estão difíceis depois da influência corruptora de um Friedrich Nietzsche que disse que o cristão é um decadente e um ressentido por sua vida ascética de pureza, castidade, temperança e por exigir dos fortes segundo este mundo que eles com justiça sejam misericordiosos com os fracos que seriam os ressentidos para o germânico. Daí eu mencionei ali a Filosofia, porque para Nietzsche seria o nada, para nós cristãos é o reino dos céus ou o ultra mundo. Seria para Nietzsche o nada a vida ascética com pureza, castidade, temperança e misericórdia mesmo no auge do impulso da força e domínio dos fortes, eu escrevera ali que seria uma idolatria à realidade dos entes, os quais são possibilitados pelo Ser que é Deus, em uma interpretação filosófica cristã. Ser que tudo criou e possibilita os entes, porque nenhum ente, nada criado subsiste por si mesmo, não é autossuficiente. Nós, todos, precisamos no mínimo de sol, comida, água, sono, abrigo e se formos homens precisamos da comunidade, precisamos de algum tipo de conselho, só Deus, o Ser que tudo possibilita basta a si mesmo, vive em uma felicidade em si mesmo sem nada e nem ninguém precisar.

 

Eis, portanto, caro leitor, algo de Filosofia, pelo menos a classicamente considerada, em suporte à uma apologética da religião cristã. O Ser, com S maiúsculo, Deus, que tudo criou e sustenta, que criou e sustenta os entes. Ser e ente, termos filosóficos dando sentido racional e científico à religião cristã.

domingo, 28 de novembro de 2021

Olavo de Carvalho, o fujão?

Autoria: João Emiliano Martins Neto

 

Olavo de Carvalho


Olavo de Carvalho segundo as boas ou más línguas, o jornal Folha de S.Paulo, teria fugido do Brasil como um rato via Paraguai onde ele teria chegado via terrestre, de carro, para lá pegar um avião e voltar para o paraíso, ou inferno, capitalista selvagem americano para quem é doente como ele, a fim de refugiar-se da Justiça que estava exigindo um depoimento dele em vista do inquérito que apura a questão das milícias digitais com suas fake news, fomento de atividades antidemocráticas e demolição de reputações com a ameaça de agressão física contra membros do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro.


Eu penso o seguinte, meu caro leitor, Olavo de Carvalho que deveria ter se limitado às suas aulinhas dele de Filosofia, mas, ao contrário, ele resolveu enveredar na política e nos temas sociais, ele o fez da maneira mais delirante e paranoica possível alicerçado, via Steve Bannon, em seu The Moviment. Um governo como o de Jair Messias Bolsonaro, apoiado por Carvalho, mostrou-se um fracasso em todos os sentidos, seja na gestão da pandemia ou sindemia de Covid-19 deixando morrer mais de 600 mil brasileiros e não comprando as vacinas da Pfizer a tempo de evitar mais mortes, além de ter sido contra as medidas de distanciamento social e uso de máscaras, ainda fez propaganda de medicamentos ineficazes como cloroquina, ivermectina e outros. E, agora, com a economia brasileira em frangalhos, o governo Bolsonaro também mostra a sua incompetência, ao deixar o povo comendo ossos pela impossibilidade de comprar carne, comida.


Eu sou de direita, acho mais correto ser direitista dado o capitalismo ser a forma social mais conforme a natureza humana, natureza humana que a esquerda louca faz vista grossa, pois quer o poder total via Estado dominado por ela. O capitalismo é mais conforme o que poderia ser uma natureza humana, visto que quem tem saúde e capacidade, caso não trabalhe, não deve comer, já ensinava o Apóstolo (São Paulo), e que dívidas exigem títulos, não necessariamente juros, para que as mesmas com justiça devam ser pagas. Também, porque, até onde eu sei, só nos países mais estatizados tal qual o Brasil é que ocorrem crises no capitalismo. E eu sou de direita, porque a tradição, o antigo, o experimentado e o velho devem ser levadas em conta e não apenas um futuro hipotético, conforme querem a esquerda e os modernistas, sem levar em conta que o futuro é filho do passado e do presente.

 

Eu sou direita, mas, esta direita em vias de ir parar na cadeia junto com Olavo e um Gengivão (Allan dos Santos) não presta e a esquerda, seja cultural, da grande mídia ou política com todos os seus erros e o seu apelo à narrativas, a direita também ama essa palavra atualmente, pelo menos não é o império da ilusão, não é o império das fake news que esta direita fajuta se tornou, inspirada em um charlatão e picareta de marca maior como Olavo de Carvalho.

 

Olavo, talvez, achava com Aristófanes, apenas um comediógrafo da Hélade antiga que dizia satiricamente que Sócrates era um nefelibata, habitante das nuvens, então, o filósofo brasileiro achando a Filosofia uma atividade talvez alienada muito abstrata distante da concretude do mundo social e político enveredou pelo submundo das narrativas ou dos discursos dos sofistas que encaminharam a morte de Sócrates. Olavo embrenhou-se por querer um reino neste mundo que nem mesmo Jesus Cristo quis estabelecer, conforme queriam os judeus para o Messias deles, segundo a interpretação deles, porque o domínio deste mundo sempre será para a esquerda, tendo por chefe o deus deste século ou para todos aqueles que substituem o mundo da graça pelo mundo da força bruta, da conquista orgulhosa e egoísta e da violência.

sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Nikolas Ferreira x Nando Moura

Autoria: João Emiliano Martins Neto

 

Nando Moura e Nikolas Ferreira

Assisti às mais de duas horas de debate entre um tímido e como sempre teimoso Nando Moura contra o excelente vereador da cidade de Belo Horizonte no Estado de Minas Gerais, Nikolas Ferreira, e achei excelente a fala do vereador que tomou a dianteira e o protagonismo no debate, ainda que de forma desonesta interrompendo o seu interlocutor, ao defender o presidente Jair Messias Bolsonaro. Dá até vontade de votar em Bolsonaro, quando, por exemplo, Nikolas prova ponto a ponto que seriam mentirosas uma tal lista de traições de Bolsonaro veiculada internet afora por Moura.


Moura quereria um presidente radical e fanático que não dialogasse com as forças vivas, políticas da sociedade representadas no Congresso Nacional, que podem não ser perfeitas, muitíssimo longe disso, não são santos de altar cercados por anjos, flores, velas e incenso, mas, são o que temos para hoje e que certamente como no passado esquerdista, temperam cum grano salis os ímpetos da direita reinante da atualidade.


Cagnin, sobrenome de Moura, é teimoso, é insistente, estava mais tímido e deixou Nikolas em seu praticamente monólogo durante o debate, porque agora os novos ventos com Sérgio Moro podendo ser candidato à Presidência do Brasil, Moro não é fanático, extremista, como Bolsonaro. No entanto, eu consultando aqui na internet a um pdf da Constituição, eu acho que Nikolas enganou-se ou mentiu ao tentar provar citando o artigo 14° da Carta Magna de 1988 que qualquer cidadão comum poderia entrar com uma representação contra os governantes por crimes de responsabilidade. Eu acho que é Cagnin que acertou ao chamar o vereador de mentiroso sobre esse ponto, pois que somente o Procurador Geral da República é que poderia fazer tal representação.


Enfim, o debate foi da direita contra a direita e a direita reinante, hoje, age como a esquerda reinante de outrora, é antropófaga, são os iguais devorando os seus próprio iguais. Enquanto o verdadeiro inimigo que é a esquerda, inimigo da espécie humana, está sempre à espreita e sem dúvida alguma que Bolsonaro ao aprovar muitas medidas contra o combate à corrupção, levando-se em conta a refutação excelente de Nikolas Ferreira a esse respeito, o Presidente Jair ao taxar lucros e dividendos e ao não ter sabido administrar a pandemia, o atual Presidente do Brasil pode ter estendido um belo tapete de cadáveres humanos para a volta da esquerda ao poder.

quinta-feira, 18 de novembro de 2021

Olavo de Carvalho está de volta

Autoria: João Emiliano Martins Neto

 

Olavo de Carvalho (Imagem: Reprodução/YouTube)


Olavo de Carvalho está de volta. Deu na internet, no site YouTube que já na casa dele nos Estados Unidos, em um vídeo Olavo dizendo que recebeu alta dos hospitais nos quais esteve internado no Brasil, só não sei se receberia alta de um hospital psiquiátrico manicômio se nele fosse internado, como já ele já fora internado no passado e não recebera alta, pois que os médicos diante da coisa horrorosa que é Carvalho, cuja prova é muita coisa que ele ensina e escreve, não queriam dispensar-lhe. Mas, Olavo execrado por pessoas absolutamente analfabetas em Filosofia que desconhecem o, na minha opinião e segundo o que pensava o padre Stanislav Ladusãns, o grande filósofo que é Olavo, um peixe dentro d'água dada a relação íntima e coerente de Olavo com a Filosofia, segundo o padre. E, também, execrado por essas mesmas pessoas que são meros cabos eleitorais da esquerda, o tal Doutor Paulo Ghiraldelli Júnior é um deles que chegou a plagiar o título de uma coleção de livros de Carvalho, o "História Essencial da Filosofia". E Olavo é execrado por direitistas horrorizados com a lama do governo apoiado pelo escritor que é o governo de Jair Messias Bolsonaro, o Bozo, miliciano, chamado de genocida por ter permissivamente e ativamente ter permitido a morte de mais de 600 mil pessoas de Covid-19 no Brasil. Bozo, o "cara da casa de vidro", como dizem com intimidade de Bolsonaro os bandidos milicianos.


Ao que parece fortemente Olavo de Carvalho teria saído como um bandido, fugido do Brasil, mas, segundo ele alega, apareceu um "voo repentino" para que ele embarcasse em "15 minutos", segundo eu li no site UOL. Olavo disse que "não vou esperar o MP me convocar." Ele diz que "um dia" o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) convocar-lo-ia, em virtude de que há suspeitas de que Olavo teria furado a fila do Sistema Único de Saúde (SUS) para ingressar na internação no InCor (Instituto do Coração) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

 

Quando da chegada de Carvalho ao Brasil eu li no mesmo site UOL e a filha mais velha de Olavo, a excelente Heloísa de Carvalho Martin Arribas, levantou a lebre, de que Olavo teria furado a fila. Mas, eu li no UOL, os passageiros do voo que trouxe o grande filósofo ao Brasil disseram que ele não passara mal no voo, não, mas que comera, fizera uma refeição, reclamou da comida como todo velho rabugento, bebeu Coca-Cola e dormiu a viagem inteira. Portanto, nada de passar mal para precisar de atendimento emergencial ao SUS no Brasil. Ao que parece Olavo fez uso de má-fé e com o auxílio de pistolões no governo Bolsonaro, o homem que teria cometido pelo menos o aborto de um filho na seita maligna Tradição, conseguiu ingressar pela porta dos fundos no tratamento de saúde do sistema estatal de saúde brasileiro, que ele de forma ingrata e fanática de direita dizia ser "cem por cento socialista".


Olavo está de volta. É um grande filósofo? É. Eu mesmo presenciei em um áudio de uma aula dele sobre Immanuel Kant, o anão de Königsberg ser finalmente vencido esse fantasma alemão que assombra e oblitera a Filosofia há mais de 200 anos. Kant teria sido vencido por Olavo, se eu não estou sendo muito burro ou muito louco para ainda dar ouvidos a Olavo, na ideia de Kant de que, segundo Olavo, o mundo de Kant seria um mundo fictício onde a mente humana, a capacidade cognitiva humana se é um espelho, no entanto, ela só reflete algo ali que, de fato, existe, logo, a coisa em si pode ser cognoscível, o baixinho alemão dizia que seria incognoscível, segundo o que eu entendi da explicação de Olavo e o exemplo que ele dá do espelho.


Desejo e rezo pela saúde e longa vida de Olavo de Carvalho, apesar do charlatanismo que é, por exemplo, a visão paranoica e delirante que em boa parte ele tem da política, além da loucura de alguém que não recebeu alta do manicômio no qual esteve internado, e o mau pai que ele foi com os filhos, poderia citar um exemplo, a filha dele, Leilah Carvalho, que por causa de uma hipóxia na infância, fruto do desleixo do pai com relação à essa filha mais jovem, ela restou com sequelas: risadas involuntárias e um braço, talvez o direito, que dá sempre uma torção para trás.

sábado, 13 de novembro de 2021

Nando Moura, sacudido pelos ventos

Autoria: João Emiliano Martins Neto


Acompanhei nos últimos pelo menos dois dias a alguns vídeos postados pelo influencer youtuber, Nando Moura (Luís Fernando de Moura Cagnin) respondendo a outros influencers e youtubers de extrema esquerda, ele, de extrema direita, naturalmente. Foram longos vídeos, o primeiro de Nando Moura com mais de uma hora de duração respondendo a um vídeo antigo do canal Meteoro Brasil no site YouTube.


O que eu vi foi de um lado a extrema esquerda xingando de neofascista a Nando, porque para tal extremo qualquer divergência mais à direita é neofascismo e do lado da direita, do guitarrista, o nazismo ser dado como de esquerda, pois que mesmo que diante do extremo que é o racismo do nazismo, algo análogo a uma "etnofobia" que em um extremo não poderia faltar em um conservador, mas, algo que tenha alguma estrutura coletivista semelhante à esquerda, não que a direita outrora não tivesse o seu coletivismo, algo assim para o anacrônico e extremista obcecado Cagnin já é esquerda.


Vi a mentira de Cagnin de dizer que ele não pertencia a um tal Motoclube, que, segundo o canal O Historiador (Carlito Neto), era um tipo de nome de fantasia, não haveriam motoqueiros no mesmo, mas seria um instrumento na internet para ataques virtuais a desafetos de Moura. Moura Cagnin teria mentido dizendo que teme motos, que não as dirige nunca, é afastado delas.


Entre xingamentos e apelidos de lado a lado, muito mais do lado de alguns da extrema esquerda, Henry Bugalho alega que o filho de apenas seis anos à época foi atacado por apoiadores de Nando Moura, então, ele resolveu retaliar atacando a esposa de Moura ao simplesmente ler um boletim de ocorrência em um vídeo que a denunciava como estelionatária, pois ela haveria comprado coisas na internet, recebia-as, e depois mentia dizendo que não as havia recebido. Moura alega que a Justiça não teria qualquer indício concreto para dar continuidade ao processo contra essa mulher.


Nando Moura foi sacudido pelos ventos dos últimos tempos, os ventos de alguma mudança na direita que governa e fanatiza o Brasil que já não admite a tosquice e os exageros de Jair Messias Bolsonaro, mas, que pelo menos expressavam alguma autenticidade e de realização metafísica. Agora a direita a que Moura adere que é a de Sérgio Moro, é uma direita de sapatênis, é mais polida, é uma direita caviar que nas palavras de Moro no seu discurso de filiação ao partido Podemos, respeita os diferentes, ou seja, com menor rigor metafísico.

Highlights

Outros sites relevantes

Marcadores