Pesquisar este blog

Assine minhas postagens

Google+ Followers

sábado, 28 de julho de 2018

Um encômio ao doce fazer nada

O doce fazer nada é o contemplar a si mesmo na busca inadiável pelo sentido da vida e vou mais além, na busca do sentido do real, em sentido filosófico, concretamente através da busca de sentido de sua própria vida, se há ou não tal sentido na própria concretude do que se vive se o homem ainda é alguma coisa de importante, e logo se o homem é imagem e semelhança do Ser por excelência e subsistente Ser que é Deus.
E como quem contempla vê as coisas como em um quadro em que há uma totalidade que eis que é o universal e necessário de tudo o que pode haver na vida do homem, mas cada homem por sua própria escolha de querer refletir ou não antes de agir, tornando assim a sua vida merecedora de ser vivida, a vida de cada homem pode ser fragmentária e nominalista, no acidente de um homem que viva apenas segundo o que manda o próprio ventre, isto é, o homem como um animal de tração irracional servil ao capital em quem a sua feiúra e loucura ficarão estampadas.

Sem o doce fazer nada, sem a contemplação pelo menos durante uns quinze minutos diários de oração ou de se ao menos olhar para uma parede e fumando um cigarro e bebendo um café, sem nada disso o homem não para e não reflete e sua vida acaba um crasso e terrível autodesconhecimento pára, este mesmo miserável homem tão preocupado em ter bens e em agir a fim de ser valorizado como ser humano. Entretanto o homem é querido por si mesmo, pois Jesus Cristo mesmo animou-se quando o homem ainda era pecador, como escrevera São Paulo aos romanos, a imolar-se em uma vida inteira de privações, mas sobretudo no alto da santa cruz. O doce fazer nada é doce, enquanto é algo como um vício e um veneno o ativismo capitalista selvagem tão típico da mentalidade moderna protestante.

Paremos para pensar, para filosofar e refletir, somos seres humanos, e não animais irracionais protestantes aonde só há a doutrina da sola fide que é a fé cega de um macaco nas costas de sua mãe macaca curvado como o espinhaço de um Samuel Câmara do mundo que aliás é fisicamente uma deformidade corcunda, o jeito físico do idiota voltado somente a si mesmo, além de Câmara ser feio não só no corpo, mas na cara como o próprio pecado dele ganância, decidida corrupção, antipatia de um coração como dele absolutamente de pedra e pecado dele ser mais um herege protestante evanjegue. 

Nenhum comentário:

Google+ Badge

Um Destino cruel...

Eis, acima, um justo destino para os seguidores dos revolucionários hereges protestantes, esquerdistas, liberais e libertários.

Outros sites relevantes

Postagens mais visitadas