You may translate my blog if you needing

Pesquisar este blog

A certeza

 photo Cristo_zpsi9u1t9yx.jpg

"Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." - João 3:16 ARA

Ícones de uma Igreja cristã reformada: de fato bíblica



"E dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência." Jeremias 3:15 ACF


Da esquerda para a direita e de cima para baixo: Pedro Valdo (c. 1140-c. 1220), Martinho Lutero (1483-1546), João Calvino (1509-1564), John Knox (1514-1572), Charles Spurgeon (1834-1892), Martyn Lloyd Jones (1899-1981), Francis Schaeffer (1912-1984).

Seguidores

Assine minhas postagens

Ars gratia artis!

 photo triunfo444_zpsebb373bd.jpg

Triunfo de Vênus, pura poesia plástica do Renascimento.

Ars gratia artis!

 photo madr_zpsa4265784.jpg

Vênus ou Afrodite, respectivamente, para romanos e gregos, nascendo de uma madrepérola em plena selva amazônica legal, brasileira, de minha cidade de Belém, a capital do Estado do Pará, em uma magnífica escultura no decadente logradouro público de minha referida cidade, na borda do mundo, na Praça da República.

Principia Sapientiae: a Filosofia como mãe e mestra

 photo Rafael_-_Escola_de_Atenas777_zps8e0f0f71.jpg

"Um filósofo é um intercessor, é um sacerdote. Um filósofo é o anfitrião da verdade digna e acessível aos homens." (João Emiliano Martins Neto)


Add me no ZapZap

 photo whatsapp-blue-tick_zpsae2o5yfc.jpg

Principia Sapientiae: Vamos filosofar? Viva a Filosofia!



Assistam ao meu vídeo, supra, em que faço um convite a você, caro leitor, à Filosofia. Meu convite a você leitor que saiamos da Matrix que é a mesmice, o banal do cotidiano e do senso comum tornados como algo muito ruins quando absolutamente inconscientes acerca de suas naturezas intrínsecas.

Entre em contato comigo pelo email (clique no ícone abaixo)









sábado, 15 de dezembro de 2012

Mais questões sobre o perdão

Por João Emiliano Martins Neto

Perdoar é respeitar o direito humano fundamental ao riso. Quem perdoa sabe-se desde o Éden pecador e por isso alvo fortuito dos efeitos do pecado e da queda, dos tipos de efeitos mais graves aos mais brandos. Por isso, por que não rir da própria e da alheia vaidade e pretensão? Tal vaidade e pretensão do homem que quis ser hilariamente, após a sugestão do diabo, igual a Deus.

Por exemplo, uma safada dia desses, xingou-me no mesmo instante em que, como é óbvio, falsamente pedia-me perdão. Ora, preciso rir, é minimamente razovável, e rir muito de quem com a mente obscenamente embotada pede farsescamente o perdão de outrem e no momento seguinte venenosamente coloca a quem pede perdão em uma cama de gato, em uma armadilha verbal que no caso da eleita para o Inferno é alguém absolutamente rancorosa e fascista.

O que que há de mal em perdoar mais cedo ou mais tarde? Aprendi com a dondoca citada acima. O que há mal é que, se perdoarmos tarde, adiaremos muito a hora de rirmos por nossas próprias atitudes de mulherzinha embotadíssima de malandro (leia-se o malandro como sendo o próprio Diabo).

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Questões principais acerca do perdão

Por João Emiliano Martins Neto

Quem sempre perdoa, ama, como ensina a Bíblia, por que afinal de contas a Bíblia não ensina que quem ama tudo espera, tudo sofre, tudo suporta, tudo crê, quem ama não se ensoberbece e dentre outras qualidades não arde em ciúmes? A dúvida que fica é se o perdoado perdoa a si próprio nos embotamentos que tanto critica no bom coração que o perdoou e que um dia ofendeu ao ponto de precisar do perdão de quem o anistiou.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

RESTAURAÇÃO DE ASAFE - UM MINISTRO REVOLTADO

Por Pastor Carlos Roberto Silva 

O Salmo 73 traz a história de ASAFE, um ministro de música na casa de Deus praticamente desviado.
No início do Salmo, ele confessa que Deus era bom para com Israel, (Verdadeiramente, bom é Deus para com Israel, para com os limpos de coração), porém, quanto a ele mesmo, sentia-se com seus pés à beira do abismo. (Quanto a mim, os meus pés quase que se desviaram; pouco faltou para que escorregassem os meus passos) vs. 1 e 2

A partir do verso 3, ASAFE começa a confessar o que o levou a essa situação de stress espiritual, quase uma REVOLTA:


Ciúme e Inveja da Prosperidade dos ímpios
É um estágio terrívelmente crítico quando chegamos ao ponto de sentir inveja dos ímpios, dos soberbos, daqueles que roubam, daqueles que não servem a Deus e praticam a iniquidade.
ASAFE chega ao ponto de, em comparando, relatar que na sua visão deturpada pela inveja, ve-los muio mais em situação de estabilidade, riqueza e segurança.
ASAFE chegou ao ponto de arrepender-se de servir ao Senhor. Veja o que ele disse: Na verdade que em vão tenho purificado o meu coração e lavado as minhas mãos na inocência. Pois todo o dia tenho sido afligido e castigado cada manhã. Se eu dissesse: Também falarei assim; eis que ofenderia a geração de teus filhos. vs. 13-15. Esse é o centro da decepção, o pico da revolta e o namoro com a blasfêmia. A situação estava tão complexa, que um servo de Deus com funções importantísimas na casa do Senhor, uma pessoa que tinha outros sob seu comando, ele que deveria agir como exemplo dos fiéis, estava agora praticamente desviado.
Outra afirmação que chama a minha atenção é a declaração de ASAFE no verso 16, quando diz: Quando pensava em compreender isto, fiquei sobremodo perturbado.
Essa é uma situação muito comum. Quando tentamos entender as coisas espirituais intelectualmente, não vemos saída, é como se desse um nó em nossa mente. As coisas de Deus são discernidas espiritualmente e não com a razão. Vejamos o que diz a Bíblia: Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo. I Coríntios 2: 14-16.
O divisor de água nesse Salmo está no verso 17, quando ASAFE diz: até que entrei no santuário de Deus; então, entendi eu o fim deles.
O Santuário de Deus representa o lugar da nossa comunhão com ele, onde nos arrependemos, confessamos nossos pecados e lançamos sobre ele toda a nossa ansiedade. É lá que as coisas acontecem, onde se manifesta o sobrenatural e o extraordinário da sua glória. Um reservado sem máscaras nem pirotecnicas. Onde não se pode maquiar ou enganar a Deus. E o lugar onde nos despimos de nossas arrogâncias, orgulho e fantasias. Cara a cara, olho no olho. Aí é só maravilhas, como dizia o famoso locutor Fiori Gigliot, "abrem-se as cortinas e começa o espetáculo", porém, o espetáculo da restauração, da renovação espiritual, quando o Espírito Santo coloca em nós o discernimento da parte de Deus.
Vejamos que a partir do versículo 18, tudo mudou para ASAFE. Nos versos 21 e 22 ele chegou numa figura de linguagem a declarar: Assim, o meu coração se azedou, e sinto picadas nos meus rins. Assim, me embruteci e nada sabia; era como animal perante ti. Aqui ASAFE chega a ter vergonha de Deus e sentiu-se como um animal irracional.
O final do Salmo (23-28) é só reconhecimento, agradecimento e louvor senão vejamos:
Todavia, estou de contínuo contigo; tu me seguraste pela mão direita. Guiar-me-ás com o teu conselho e, depois, me receberás em glória. A quem tenho eu no céu senão a ti? E na terra não há quem eu deseje além de ti. A minha carne e o meu coração desfalecem; mas Deus é a fortaleza do meu coração e a minha porção para sempre. Pois eis que os que se alongam de ti perecerão; tu tens destruído todos aqueles que, apostatando, se desviam de ti. Mas, para mim, bom é aproximar-me de Deus; pus a minha confiança no SENHOR Deus, para anunciar todas as tuas obras.
O remédio para toda revolta e decepção é adentrarmos com sinceridade na presença de Deus, nos arrependermos e confessarmos. Não adianta tentar entender os mistérios de Deus com a mente humana, nem desvendá-los com os olhos canais. O segredo é nos prostarmos de corpo e alma diante do seu altar.

Soli Deo Glória!

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Cativeiros de ouro

Por João Emiliano Martins Neto

Mário Sérgio Conti
O cara de siciliano iracundo, Mário Sérgio Conti, ao entrevistar Fernando Haddad (prefeito eleito de São Paulo) nesta segunda-feira no Roda Viva, chama a Esquerda e o Marxismo de idéias libertárias... Meu Deus, se é liberdade dar todo o poder ao homem como acontece com monstros amorais como Castro, Stálin ou Hitler e não ao Senhor Jesus que é quem nos pode libertar verdadeiramente, como diz um livro consagradíssimo como o é a Bíblia, então acho que devo ser mais um ateuzinho estatólatra marxista e esquerdista.

Esquerdistas gostam de cativeiros, sobretudo, se forem de ouro.

Ponderações

Por João Emiliano Martins Neto

Uma águia, certa feita, foi surpreendida por um escorpião e ao seu lado encontravam-se uma família de sapos muito chorosos. A águia perguntou aos sapos o porquê do pranto. Ora, os sapinhos responderam que um parente desse ser peçonhento ao lado deles havia matado afogado o chefe anfíbio do lar, e que morreram ambos afogados em um lago.

O mangânimo ser alado perguntou para o escorpião, por que o seu aparentado fizera tal brabeza, pois os sapos disseram que o sapo pai queria ajudar o escorpiãozinho a atravessar um lago? O pobre diabo respondera que era da natureza dos escorpiões a perfídia.



A realmente lúcida ave capaz de voar bem alto e olhar de frente para a respladescente no céu de anil luz física do mundo ponderou com o escorpiãozinho que animais como ele eram mesmo uns safados. Mui ressentido o escorpião redarguiu que no lugar dele a extraordinária ave faria o mesmo e se acharia cheia de razão. A águia respondera que de qualquer forma um ato vil é sempre um ato vil.


***

Com tal apólogo de autor desconhecido, caro leitor, quero deixar para você a profunda lição reacionária e metafísica e, por isso mesmo, plena de justiça e realismo de que o que é simplesmente o é. Ousaria dizer que mesmo que sob quaisquer circunstâncias por mais atenuantes que as mesmas sejam. Como no caso do escorpião que é por natureza uma criatura dada ao engano por ser venenoso como as serpentes e outros bichos semelhantes. Por isso, pondere sempre, então, caro amigo, suas atitudes quando quiser ser usado pelo diabo para rir da cruz dos outros. Afinal, como ensina a Bíblia, não é lícito repararmos no cisco que há nos olhos dos outros, enquanto nos nossos porventura houver uma trave. Você pode ser apenas mais um por natureza pérfido, homicida desde o princípio, blasfemo, ególatra, ganancioso, faccioso, antipático, irreconciliável, delinquente, fascista e safado, enquanto outros, pelo menos não podem ser acusados de serem como você tragicamente o é.


A brilhante estrela da manhã, o sol da justiça que é o Senhor Jesus Cristo que levou a cruz dos pecados dos eleitos - quem sabe para o seu próprio bem você é um dos tais - e foi outrossim zombado por isso, poderá ajudá-lo a desfazer certas trevas tão próprias desse seu, se por infortúnio for o seu caso, caráter tão terrivelmente corrompido, ineficiente, embotado e insano.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Misticismo de primeira

Por João Emiliano Martins Neto 

"E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras , que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus. Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;" (2Timóteo 3.15-16 ACF)
 

O verdadeiro místico cristão deve experimentar da suficiência da Bíblia quando a mesma fala a ele ao convertê-lo, ao exortá-lo e ao repreendê-lo.

Google+ Badge

Um Destino cruel...

Eis, acima, um justo destino para os seguidores do PT!

Add me no Zapzap

 photo whatsapp-blue-tick_zpsae2o5yfc.jpg

Outros sites relevantes

Postagens mais visitadas

Leia também sobre a expiação limitada ou sacrifício eficaz

 photo cristo-bom-pastor 6_zpsufwssugx.jpg


Artigo 8 - A eficácia da morte de Cristo

Este foi o soberano conselho, a vontade graciosa e o propósito de Deus, o Pai, que a eficácia vivificante e salvífica da preciosa morte de seu Filho fosse estendida a todos os eleitos. Daria somente a eles a justificação pela fé e, por conseguinte, os traria infalivelmente à salvação. Isto quer dizer que foi da vontade de Deus que Cristo, por meio do seu sangue na cruz (pelo qual ele confirmou a nova aliança), redimisse efetivamente, de todos os povos, tribos, línguas e nações, todos aqueles, e somente aqueles, que foram escolhidos desde a eternidade para serem salvos e lhe foram dados pelo Pai. Deus quis que Cristo lhes desse a fé, que ele mesmo lhes conquistou com sua morte, com outro dons salvíficos do Espírito Santo. Deus quis também que Cristo os purificasse de todos os pecados por meio do seu sangue, tanto do pecado original como dos pecados atuais, que foram cometidos antes e depois de receberem a fé. E que Cristo os guardasse fielmente até o fim e, finalmente, os fizesse comparecer perante o Pai em glória, sem mácula, nem ruga (Efésios 5:27).

"Cânones de Dort", 2º Capítulo da Doutrina: A Morte de Cristo e a Redenção por meio dela.